• 51 3312-5441
  • 51 98118-2447
  • Seg - Sex: 8:00 - 17:00 || Sab - Dom: Fechado
  • contato@boschifernandes.com.br

Um empregado que foi declarado incapaz por doenças causadas por esforços repetitivos não pode ser obrigado a passar por exames médicos periódicos como condição para manter a pensão mensal vitalícia, quando o laudo indica doença permanente.

Com esse entendimento, a 3ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho excluiu determinação para que uma costureira fizesse exames todo ano para comprovar a continuidade do quadro clínico. Segundo os ministros, não há previsão em lei para a renovar a indenização por dano material em caso de incapacidade para o trabalho. Costureira foi afastada do trabalho por doenças causadas por esforços repetitivos. Eduardo Lopez Coronado / 123RF

A mulher ficou incapacitada permanentemente para o trabalho por doenças causadas por esforços repetitivos, em indústria de calçados. O juízo de primeiro grau condenou a empresa a pagar pensão mensal à autora.

O Tribunal Regional do Trabalho da 20ª Região (SE) confirmou a sentença, porém determinou que ela apresentasse em juízo, anualmente, exames periódicos que atestassem a manutenção da incapacidade. Caso não comparecesse, a empresa ficaria isenta de pagar pensão e as despesas de tratamento.

Em recurso no TST, a costureira questionou a necessidade do exame. O relator, ministro Mauricio Godinho Delgado, disse que o artigo 950 do Código Civil, ao prever o pagamento da pensão em decorrência da depreciação da capacidade de trabalho, não estabeleceu requisito para renovar a indenização pelo dano material.

O valor da reparação, segundo o ministro, cobre as despesas com tratamento e os salários que deixaram de ser recebidos em função da inatividade causada pela doença.

Para o relator, a obrigação imposta pelo TRT não é razoável. "Se, nos termos do laudo pericial, a empregada se encontra total e permanentemente incapacitada para o trabalho, a presunção de continuidade de tal situação milita a seu favor", afirmou Delgado.

De acordo com o ministro, no caso de mudança no estado de saúde da costureira, com o restabelecimento de sua capacidade para o serviço, "cabe à empresa provocar o Judiciário para o reexame da questão". O voto foi seguido por unanimidade. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

Clique aqui para ler o acórdão. 10500-26.2006.5.20.0005

Veja Também

15/06/2018

TST REINTEGRA TRABALHADOR DEMITIDO NO PERÍODO PRÉ-APOSENTADORIA

  • 09:05

Trabalhador que precisa de mais três anos para se aposentar tem direito à estabilidade no emprego se isso for estipulado em norma coletiva. Com esse entendimento, a Subseção II Especializada em Dissídios... Leia Mais

10/06/2018

TRABALHADORA SERÁ INDENIZADA

  • 12:05

Reter carteira de trabalho mesmo após decisão judicial estabelecendo que ela seja devolvida gera dever de indenizar. Com esse entendimento, a 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou uma operadora de... Leia Mais

09/06/2018

JUDICIÁRIO NÃO PODE EXIGIR EXAME ANUAL PARA TRABALHADOR COMPROVAR INCAPACIDADE

  • 11:08

Um empregado que foi declarado incapaz por doenças causadas por esforços repetitivos não pode ser obrigado a passar por exames médicos periódicos como condição para manter a pensão mensal... Leia Mais

08/06/2018

LAUDO PARA DETERMINAR INTERNAÇÃO DEVE SER FEITO POR PSIQUIATRA, DECIDE STJ

  • 18:53

Para verificar a regularidade da internação involuntária de uma paciente por transtorno psiquiátrico, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça determinou que fosse feita perícia complementar por... Leia Mais

09/05/2018

ADICIONAL Á SERVIDOR PÚBLICOS

  • 15:20
TRABALHAR EM AMBIENTE APERTADO E SEM VENTILAÇÃO GARANTE ADICIONAL A SERVIDOR Servidores públicos que atuam em ambientes apertados e sem ventilação ou ficam em contato com substância tóxica também têm o direito de receber adicional, como outros... Leia Mais

09/05/2018

INSS Digital

  • 08:08
OAB-RS inicia cadastro de advogados no sistema INSS Digital A Ordem dos Advogados do Brasil do Rio Grande do Sul começou o cadastramento de advogados para utilização do INSS Digital, que permite que o profissional peticione sem a necessidade de... Leia Mais

09/05/2018

EXPOSIÇÃO FREQUENTE

  • 08:09
Funcionário de montadora receberá insalubridade por contato com inflamáveis Trabalhador que é exposto a produtos inflamáveis de forma habitual deve receber adicional de insalubridade. Assim definiu a 6ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da... Leia Mais

05/05/2018

CASSAÇÃO EXERCÍCIO PROFISSIONAL

  • 09:27
CRM MS PROCESSO N. 997/2017 RECURSO AO PEP TRIBUNAL PLENO CFM RELATOR: DR. LÚCIO FLAVIO GONZAGA SILVA - CE ASSUNTOS: ÍNDICE REMISSIVO - CEM-Imperícia ÍNDICE REMISSIVO - CEM-Imprudência ÍNDICE REMISSIVO -... Leia Mais

25/04/2018

JULGAMENTO. PRESCRIÇÃO PUNITIVA

  • 15:00
ADMINISTRATIVO. CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DA PARAÍBA. PROCESSO DISCIPLINAR. CONDENAÇÃO DE MÉDICO POR VIOLAÇÃO AO CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA/88. ART. 29. NEGLIGÊNCIA. PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO PUNITIVA. OCORRÊNCIA.
1. Mandado de... Leia Mais

07/02/2018

ALTA PROGRAMADA INSS

  • 17:50

ALTA PROGRAMADA DO INSS É INADMISSIVEL E DESCABIDA

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu, recentemente, a ilegalidade no... Leia Mais