• 51 3312-5441
  • 51 98118-2447
  • Seg - Sex: 8:00 - 17:00 || Sab - Dom: Fechado
  • contato@boschifernandes.com.br

Reter carteira de trabalho mesmo após decisão judicial estabelecendo que ela seja devolvida gera dever de indenizar. Com esse entendimento, a 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou uma operadora de telecomunicação a pagar R$ 1 mil a uma executiva de vendas.

Segundo o relator, ministro Vieira de Mello Filho, a retenção do documento configura ato ilícito e culposo, "ofensivo à dignidade da trabalhadora”.

Dispensada em fevereiro de 2012, a profissional ajuizou a reclamação trabalhista em março daquele ano, com pedido de antecipação de tutela para garantir a devolução da carteira e o recebimento das guias de acesso ao seguro-desemprego e ao FGTS. Segundo ela, ao buscar os documentos, recebia sempre a mesma resposta da empresa: que deveria esperar, pois havia excesso de trabalho administrativo interno.

A liminar foi deferida em março de 2012 para que a empresa, no prazo de cinco dias, devolvesse a CTPS com a anotação da rescisão contratual e entregasse as guias para saque do FGTS. A carteira só foi devolvida, no entanto, em maio.

Ofensa ínfima Ao examinar o mérito do pedido, o juízo da 3ª Vara do Trabalho de Blumenau (SC) condenou a empresa a pagar R$ 1 mil pelos danos morais causados à empregada. O Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (SC), no entanto, reformou a sentença por considerar “ínfimo” o potencial ofensivo do atraso.

Entre os fundamentos, o TRT indicou que a gerente não comprovou ter deixado de conseguir outro emprego por não estar portando o documento nem demonstrou outro dissabor decorrente do fato. Destacou ainda que a CLT (artigos 29 e 53) não prevê nenhuma indenização por retenção indevida da carteira de trabalho.

Ato grave Já o relator do recurso no TST, ministro Vieira de Mello Filho, observou que o artigo 29 da CLT prevê prazo de 48 horas para o empregador fazer as anotações na CTPS do empregado, e o artigo 53 institui sanção administrativa em caso de descumprimento. "Isso é suficiente para demonstrar a gravidade do ato”, ressaltou.

"Independentemente da prova de que a trabalhadora tenha sofrido prejuízo de ordem material, a devolução da CTPS no prazo previsto é obrigação do empregador", afirmou.

Segundo o relator, sem o documento, que registra toda a sua vida profissional, o trabalhador fica impossibilitado de exercer atividade subordinada e de comprovar o tempo de serviço para fins previdenciários. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

Processo RR-1237-74.2012.5.12.0039

Veja Também

15/06/2018

TST REINTEGRA TRABALHADOR DEMITIDO NO PERÍODO PRÉ-APOSENTADORIA

  • 09:05

Trabalhador que precisa de mais três anos para se aposentar tem direito à estabilidade no emprego se isso for estipulado em norma coletiva. Com esse entendimento, a Subseção II Especializada em Dissídios... Leia Mais

10/06/2018

TRABALHADORA SERÁ INDENIZADA

  • 12:05

Reter carteira de trabalho mesmo após decisão judicial estabelecendo que ela seja devolvida gera dever de indenizar. Com esse entendimento, a 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou uma operadora de... Leia Mais

09/06/2018

JUDICIÁRIO NÃO PODE EXIGIR EXAME ANUAL PARA TRABALHADOR COMPROVAR INCAPACIDADE

  • 11:08

Um empregado que foi declarado incapaz por doenças causadas por esforços repetitivos não pode ser obrigado a passar por exames médicos periódicos como condição para manter a pensão mensal... Leia Mais

08/06/2018

LAUDO PARA DETERMINAR INTERNAÇÃO DEVE SER FEITO POR PSIQUIATRA, DECIDE STJ

  • 18:53

Para verificar a regularidade da internação involuntária de uma paciente por transtorno psiquiátrico, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça determinou que fosse feita perícia complementar por... Leia Mais

09/05/2018

ADICIONAL Á SERVIDOR PÚBLICOS

  • 15:20
TRABALHAR EM AMBIENTE APERTADO E SEM VENTILAÇÃO GARANTE ADICIONAL A SERVIDOR Servidores públicos que atuam em ambientes apertados e sem ventilação ou ficam em contato com substância tóxica também têm o direito de receber adicional, como outros... Leia Mais

09/05/2018

INSS Digital

  • 08:08
OAB-RS inicia cadastro de advogados no sistema INSS Digital A Ordem dos Advogados do Brasil do Rio Grande do Sul começou o cadastramento de advogados para utilização do INSS Digital, que permite que o profissional peticione sem a necessidade de... Leia Mais

09/05/2018

EXPOSIÇÃO FREQUENTE

  • 08:09
Funcionário de montadora receberá insalubridade por contato com inflamáveis Trabalhador que é exposto a produtos inflamáveis de forma habitual deve receber adicional de insalubridade. Assim definiu a 6ª Câmara do Tribunal Regional do Trabalho da... Leia Mais

05/05/2018

CASSAÇÃO EXERCÍCIO PROFISSIONAL

  • 09:27
CRM MS PROCESSO N. 997/2017 RECURSO AO PEP TRIBUNAL PLENO CFM RELATOR: DR. LÚCIO FLAVIO GONZAGA SILVA - CE ASSUNTOS: ÍNDICE REMISSIVO - CEM-Imperícia ÍNDICE REMISSIVO - CEM-Imprudência ÍNDICE REMISSIVO -... Leia Mais

25/04/2018

JULGAMENTO. PRESCRIÇÃO PUNITIVA

  • 15:00
ADMINISTRATIVO. CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DA PARAÍBA. PROCESSO DISCIPLINAR. CONDENAÇÃO DE MÉDICO POR VIOLAÇÃO AO CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA/88. ART. 29. NEGLIGÊNCIA. PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO PUNITIVA. OCORRÊNCIA.
1. Mandado de... Leia Mais

07/02/2018

ALTA PROGRAMADA INSS

  • 17:50

ALTA PROGRAMADA DO INSS É INADMISSIVEL E DESCABIDA

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu, recentemente, a ilegalidade no... Leia Mais